28.2.09

uma crônica

ou... a experiência de uma erva

ou ainda... caqui e amora

saio eu de casa para comprar o ingresso do show.
resolvo ir de ônibus.
tranquilamente vou me aproximando da parada e todos os ônibus da cidade resolvem passar rapidamente em sequência.
espera...espera...espera...
daqui a pouco vem chegando um cara de meia idade, com um visual anos 70 original...
calça boca de sino(mesmo!) amarela...
uma camisa laranja(modelo 70's)...
óculos escuros enormes(detalhe...já era noite)
e para completar careca (daquelas lustrosas)...
para, fala alto com alguém do ponto de taxi (essa parada fica próxima a um ponto de taxi), e começa a cantar uma canção (que para mim parece um brega que imagino tocar num cabaré bem fuleiro das rocas...)

anda mais um pouco e passa da parada alguns metros...
começa a cantar uma música do roberto carlos... muito massa que fala de um gênio...
ele canta de uma maneira tão animada e ritmada que não contive minha alegria...
vi um ônibus se aproximar e aplaudi calorosamente...
não era meu ônibus...
fiquei na parada com todo mundo que lá estava me olhando...
houve um momento de silêncio...
e uma explosão de gargalhadas!
olhares de cumplicidade pelo compartilhar da cômica situação
pessoas sorriram juntas, de maneira expontânea e subversiva...
cada pessoa compartilhado da alegria por alguns de nós bularmos o convêncional...
eu senti um barato...
senti a vida pulsando em mim...
senti o imenso prazer do inesperado...
a vida é isso...
um inesperado acontecimento
aqui e agora...
sempre

2 comentários:

Rubens Barbosa disse...

Bixo, que vibe louca!
hahahaahhaaha

NI disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, adoro rir com você!

Seguidores

quem sou eu?

Minha foto
as definições, as conceituações, me entram, como se diz, por um ouvido e saem pelo outro... sou.