1.2.10

o silêncio que diz mais


prefiro todo o sentido...
se procuro falar...
é mais pelo vício da palavra.



"Eu gosto do impossível (possível também!) , tenho medo (pouco!) do provável, dou risada do ridículo ( eu sou ridícula... rio de e para quase tudo!), e choro porque tenho vontade (sou chorona!), mas nem sempre tenho motivos. Tenho um sorriso confiante que as vezes não demonstra o tanto de insegurança que há por trás dele ( para poucos, faço questão!). Sou inconstante (constante) e talvez imprevisível ( previsível!). Não gosto de rotina ( eu gosto, só prá quebrar vez por outra!). Eu amo de verdade as pessoas para quem eu digo isso ( amo!) e, me irrito de forma inesplicável quando não botam fé em minhas palavras ( eu fico triste!). Nem sempre ponho em prática aquilo que julgo certo ( eu quase nunca faço o que acho errado!). São poucas as pessoas para quem eu me explico (eu também!) " (Robert Nesta Marley e eu)

2 comentários:

Camilla para os menos íntimos... disse...

gostei dos grifos da autora!
rsrs!

Viva Bob!

ed soares disse...

moi aussi

Seguidores

quem sou eu?

Minha foto
as definições, as conceituações, me entram, como se diz, por um ouvido e saem pelo outro... sou.