7.2.10

natimorto

ou eram assim tão intimos, ela e o monstro.

"algumas delicadezas já nascem escondidas e parecem querer morrer assim. doi imaginar essa fuga de doçuras, doi a responsabilidade de ter que aguçar nossas sensibilidades todas em busca da captura dessas coisas fugidias...
.................................................................
meus resquícios de noções de uma barreira entre o natural e o artificial me deixavam avessa àquilo que eu sabia não ser natural mas que, contudo, apresentava-se como real.
.........................................
 ia de encontro às minhas expectativas de uma arte cada vez mais verdadeira, de um amor cada vez mais verdadeiro.
....................................
no entanto, sabia da pluralidade das verdades e, muito mais que isso, sentia necessidade de continuar se permitindo ser conquistada.
................
a delicadeza da idéia de álguem que se mostra e se protege era o que lhe faltava.
............
e, assim, toda a artificialidade se mostrou natural. pelo menos até o fim da duração daquele momento - que se perpetuava, que se perpetua e que se faz perpetuar..."
- você me protege do que eu quero?




"E então, como é o monstro?
Ele é como nós. Todos somos monstros." L.M.

Um comentário:

Camilla para os menos íntimos... disse...

se todos somos monstros... o homem é o lobo do homem, já dizia alguém que agora não me lembro quem! rs!

Seguidores

quem sou eu?

Minha foto
as definições, as conceituações, me entram, como se diz, por um ouvido e saem pelo outro... sou.